um blogue pessoal com razões e emoções á esquerda

UM BLOGUE PESSOAL COM RAZÕES E EMOÇÕES À ESQUERDA

domingo, 15 de junho de 2014

apontamentos discretos para a biografia de Cavaco Silva (XLIII)

TEXTO

Creio que poucos são os cidadãos portugueses que se interrogam
sobre o que se passou ontem com o PR durante as comemorações do 10 de Junho.

Até porque a maioria apenas viu imagens tratadas pelas 3 cadeias
de televisão, onde foram cortados os momentos em que supostamente o PR Cavaco
Silva teria tido a tal “ocorrência vagal” indicada pelo médico oficial da
Presidência.

Isso é propositado para que o povo português não perceba o que se
está a passar e a gravidade da situação.

Mas, felizmente há cidadãos atentos que gravam em vídeo estes
eventos e sem manipulações nem mentiras, partilham essas imagens para que não
restem dúvidas e para que existam provas para memória futura.

Se há já 5 anos eu tive uma suspeita do que estava a acontecer à
saúde do actual Presidente da República, ontem eu tive a certeza.

Refiro-me a uma ocorrência a que todos assistimos aquando do
discurso do PR quanto ao novo Estatuto dos Açores há 5 anos.




Aníbal Cavaco Silva, nesse dia
entra hesitante na sala de imprensa e mantém-se durante quase 2 minutos num
silêncio confrangedor, mastigando em seco e quase apático até que alguém lhe dá
sinal para iniciar o discurso.

Se repararem bem, a expressão do rosto e o vazio total do olhar
como quem não percebe onde está nem em que situação se encontra é evidente.

Ora se na altura muitos associaram esta ocorrência ao clima de
tensão que se vivia então com as alegadas escutas e vigilâncias à Presidência,
ontem houve quem tentasse associar o suposto desmaio às manifestações que
ocorriam durante as cerimónias do 10 de Junho.
  
Se estiverem atentos, vão
perceber que a voz de Cavaco Silva se torna arrastada que mostra enorme
dificuldade na leitura e na compreensão das palavras e do contexto do discurso
mas que nunca chegou a perder os sentidos.

Se repararem bem, ele pára de ler como se as palavras deixassem de
lhe fazer sentido, ou deixasse de conseguir ler, hesita, tenta manter o
equilíbrio balançando o corpo (perda de noção de espaço/tempo).

Quando o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas se
aproxima e o segura ele olha-lhe o rosto e não o reconhece.

Quando os seguranças o ajudam ele está apático (ataxia
neurológica) mas nunca perde os sentidos.

Os olhos estão abertos mas sem expressão e estão fixos, como quem
fixa um ponto no espaço e se prende a esse ponto perdido no tempo e a mente
vazia!
Estes são os sintomas de um evento de ataxia neurológica, um dos
muitos sintomas da doença de Alzheimer.

Cavaco Silva denota já uma tremenda dificuldade de se orientar no
espaço/temporal, tem dificuldade até mesmo não só na articulação oral como fora
dos discursos oficiais começa a demonstrar dificuldade em verbalizar emoções ou
de comunicar de forma clara procurando as palavras adequadas porque não se
lembra delas além da dificuldade de assumir decisões.

Para os menos atentos ou para quem não conhece os sintomas, tudo
isto parece estranho ou é motivo de piadas e anedotas, mas para quem conhece
estes sintomas, esta situação reveste-se de uma enorme gravidade.

E é grave não só do ponto de vista pessoal no que toca à dignidade
do indivíduo Cavaco Silva mas muito mais grave nas implicações que estão
envolvidas no exercício das funções inerentes ao cargo que o indivíduo ocupa.
Cavaco Silva sofre de Alzheimer há vários anos, a doença como
devem saber não surge de um dia para o outro, é progressiva.

O irmão dele (que morreu há 4 anos) sofria de esclerose lateral
amiotrófica e na família há todo um historial de doenças degenerativas
neurológicas que sempre são escondidas do público porque como também sabemos, a
ignorância do povo português é abissal e tudo o que é doença neurológica é de
imediato associada a doença mental e a doença mental é ainda hoje muito mal percebida
e descriminada como se o doente tivesse culpa de ser doente ou pudesse
modificar comportamentos ou ter mesmo noção do seu mal.

Infelizmente para este país, quem continua a deter o poder,
escolheu Cavaco Silva para PR porque sabia da doença dele e que seria fácil de
manobrar.

Sempre o soube, tal como sabia que ele era uma pessoa inflexível
quando ainda estava na plena posse das suas faculdades mentais.

Usou essas duas características dele: a casmurrice e a doença que
iria progredir para o que estamos a assistir hoje com o fim de poder ir
manipulando a ascensão ao poder de PPC, outro que também é facilmente
manipulável e demasiado estúpido para não perceber que está a ser usado.

Há quem saiba neste país quem é que tem estado por trás disto
tudo, tal como esteve por trás do assassinato de Sá Carneiro e de Adelino Amaro
da Costa.
A raposa velha que nunca gostou muito de se por ao sol e prefere
trabalhar na sombra, anda agora a preparar (e treinar) a sua sucessora.

“Estava a bela Inês posta em sossego” e a raposa velha veio
desassossegá-la!
Enfim, no meio disto tudo, até foi bom que ontem o episódio se
desse em público embora tenha sido mais ou menos abafado (como de costume) mas
as minhas dúvidas foram todas esclarecidas, embora suspeitasse disto desde esse
célebre discurso de há cinco anos.

Quem conheceu Cavaco Silva como eu conheci há 30 anos, percebe
isso de imediato.

Quem conhece os sintomas da doença de Alzheimer também percebe o
que está a acontecer com Cavaco Silva.

As mudanças são tão evidentes que se tornam confrangedoras.

Continuam a existir nele os traços de arrogância e de
inflexibilidade da sua antiga personalidade mas a desorientação, a apatia, as
crises de ataxia são cada dia mais frequentes e vai chegar o momento em que não
vão poder esconder mais a situação.

Espero sinceramente que tudo isto sirva para numa próxima
legislatura se proponha a alteração da Constituição para que esta considere o
mecanismo do Impeachment a fim de se evitar este golpe de estado pela via da
legalidade mal acautelada!


Leonilde Santos



Observação: Esta nota reflecte apenas e tão só a minha opinião
pessoal garantida pela Constituição da República Portuguesa no seu Artigo 37º
assim como pelo Artigo 19º da Declaração Universal dos Direitos Humanos.”

Sem comentários:

Enviar um comentário