um blogue pessoal com razões e emoções á esquerda

UM BLOGUE PESSOAL COM RAZÕES E EMOÇÕES À ESQUERDA

domingo, 23 de outubro de 2016

REFLEXÃO DE UM PORTUGUÊS SOBRE HORÁRIO DE TRABALHO

Os alemães trabalham em média cerca de 1393 horas anuais. Os espanhóis trabalham em média cerca de 1691 horas anuais, o que dá cerca de 1 hora e meia a mais por dia do que os alemães. Os portugueses trabalham em média cerca de 1840 horas anuais, o que dá cerca de 2 horas a mais por dia do que os alemães. Os gregos trabalham cerca de 2032 horas anuais … o que é uma enormidade.

Avaliemos a produtividade de trabalho por hora de trabalho, média do português em relação ao alemão. O alemão em média produz duas vezes mais por hora do que o português (produtividade de trabalho por hora de trabalho 68,8 para 126,9). Para os gregos é 68,2 e para os espanhóis é 99,8.

Conclui-se portanto que para obter a mesma produção dos alemães ou trabalharíamos o dobro dos alemães (2600 horas anuais), o que seria impossível ou temos de aumentar a produtividade de trabalho por hora de trabalho.

Mas dizem os especialistas de estudos de gestão que ao fim de um período de trabalho de seis horas, as capacidades de exercício profissional começam a reduzir-se drasticamente. Não por acaso certamente, as reuniões de trabalho de grandes empresas, onde se tomam as grandes decisões, se efectuam nas primeiras horas da jornada laboral. Assim a redução do horário de trabalho aparece como solução com o necessário aumento da produtividade do trabalho.

O actual excesso de trabalho induzido por períodos de trabalho longos leva á exaustão física e psicológica, á ausência de períodos de repouso, á ausência na família, á ausência de auto-aprendizagem e desenvolvimento pessoal. E conduz, com resultados contraditórios ao desejado, á diminuição da intensidade do trabalho. 

Penso nos profissionais de saúde. Períodos prolongados e exigentes de trabalho, por vezes em turnos sucessivos, sem intervalos de repouso, com penosas deslocações incluídas, conduzem a comportamentos inadequados, a erros e a insatisfações.

Mas isto é só uma reflexão de fim de semana de um não-economista ou gestor.


CR

Sem comentários:

Enviar um comentário