um blogue pessoal com razões e emoções á esquerda

UM BLOGUE PESSOAL COM RAZÕES E EMOÇÕES À ESQUERDA

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

«São todos maus»




A entrevista ao Presidente Bashar al-Assad, transmitida em horário nobre 
pelo canal público, foi um raro momento em que pudemos ouvir o «outro lado»
 da guerra na Síria.

http://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/siria_mohammed_badra-epa.jpg?itok=EXbxuEmr
Um momento de denúncia da responsabilidade das potências ocidentais e da sua participação activa no conflito, com os EUA à cabeça, secundado pelos seus aliados na região e na Europa.
Um momento de afirmação da soberania e da opção firme em defender a integralidade territorial e fazer frente ao imperialismo, e aos grupos terroristas por si criados e alimentados.
Sem prejuízo de uma análise mais profunda à acção do governo sírio, ao longo dos 30 minutos que durou a entrevista, assistimos a um libelo acusatório que desmascarou a hipocrisia dos que se afirmam defensores dos direitos humanos e ao mesmo tempo fomentam a guerra; dos que proclamam as monstruosidades do «regime» e escondem o desejo do povo de voltar à sua terra e se ver livre da agressão dos grupos «rebeldes»; dos que reclamam democracia para a Síria e omitem a natureza dos sistemas de países com participação directa na guerra, como sejam a Arábia Saudita, Israel ou, entre outros, a Turquia.
A necessidade de rapidamente refazer a opinião com que os telespectadores pudessem ter ficado da entrevista, levou a RTP a convidar três «especialistas». O espaço que se seguiu foi de pura desinformação e manipulação.
A única opinião a ter espaço foi a que apresentou a Síria como um «Estado falhado» e o seu presidente como «o ditador» ou simplesmente «este homem», recuperando o argumento das «primaveras árabes» e a forma como o governo lidou com este fenómeno como sendo a origem do conflito, mesmo depois do inferno em que estas «revoluções» se converteram para os povos da região (que o digam os líbios, vítimas de atrocidades sem fim à vista).
A guerra foi justificada e os terroristas voltaram a ser rebeldes, alguns deles rebeldes bons e, ao invés de um aprofundamento dos temas abordados, simplificou-se a realidade e procurou-se denegrir o mensageiro sem nunca rebater convincentemente a mensagem.
Usando uma expressão do jornalista que conduziu a entrevista, no espaço que se seguiu foram «todos maus».
A guerra ideológica é outra face da agressão imperialista a que os povos estão sujeitos. Que vença a paz!

em www.abrilabril.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário