um blogue pessoal com razões e emoções á esquerda

UM BLOGUE PESSOAL COM RAZÕES E EMOÇÕES À ESQUERDA

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

PASQUINS E A MISÉRIA DA POLITICA


A Folha de S. Paulo de 1 de dezembro reproduz artigo do The New York Times de 21 de Setembro de 2016. Ambos são jornais de referência do sistema mediático dominante. O título do artigo é: Bashar Assad enfrentará dificuldades para governar Síria se vencer a guerra. Dito assim, a pergunta se coloca ao leitor: mas se perder a guerra, as dificuldades não serão maiores? Passemos ao miolo da notícia. Segundo a previsão do jornal, Assad sobreviverá á rebelião, mas isso pode-se tornar “fútil”, numa terra arrasada, país semi-morto, ferida aberta de ponta a ponta da Síria. A “insurgência” remetida para as zonas rurais estará atenuada, mas será persistente. Isto dito por experts norte-americanos, um dos quais o ex-embaixador na Síria Robert Ford, um campeão das “liberdades” fornecidas em catálogo.
No artigo, os números são esmagadores, mesmo que não sejam verdadeiros: 250 mil mortos, 5 milhões de exilados pela guerra, 300 mil no Leste de Alepo “cercados”. A mentira aparece a adornar a mensagem politica para os círculos de poder no Brasil e nos Estados Unidos: o uso por Assad de armas químicas contra áreas civis, a compra por esse mesmo governo de petróleo ao Estado Islâmico, e a violação de normas internacionais não concretizada. Uma referência aos aliados de Assad, os não-sírios, omnipresentes, quase únicos no terreno.
Nenhuma referência ás largas dezenas de milhar de mercenários não sírios, aos recursos logísticos e militares fornecidos pelos países do Golfo, ou á Turquia, ou por Israel. Nenhuma consideração sobre o apoio ocidental, dividindo, pressionando, armando grupos armados violentos. Não há sentimento de culpa.

Alepo é o cemitério onde desaguou a arrogância ocidental e as ambições imperiais. A Síria foi de forma inesperada na sua erupção e desenvolvimento um novo Vietname. A Folha de S. Paulo e o The New York Times sabem disso. Mas continuam a mentir.

CR   

   

Sem comentários:

Enviar um comentário