um blogue pessoal com razões e emoções á esquerda

UM BLOGUE PESSOAL COM RAZÕES E EMOÇÕES À ESQUERDA

quinta-feira, 23 de março de 2017

FASCISMO E ANTIFASCISMO NA UCRÂNIA

O chefe da polícia de Kiev, Andriy Grishchenko, confirmou que o homem morto esta quinta-feira de manhã em Kiev, nas imediações do hotel Premier Palace, é o ex-deputado russo Denis Voronenkov. Denis Voronenkov, de 45 anos, foi procurador no Ministério Público Militar russo durante a década de 1990 e chegaria ao parlamento como deputado em 2011, sendo membro da comissão de Segurança e Anti-Corrupção. Curiosamente, ele, Voronenkov, seria em 2015 investigado pela justiça russa por ter adquirido um edifício em Moscovo no valor de cinco milhões de dólares. No ano passado a Forbes publicou uma lista com os dez deputados ou senadores russos que, durante o mandato, ocuparam igualmente o controlo de empresas offshore. Voronenkov era um deles.
O ex-deputado deixou recentemente a Rússia natal acompanhado pela mulher, a cantora Maria Maksakova, e pediu a nacionalidade ucraniana, vivendo em Kiev desde o último outono. Voronenkov alegava estar a ser perseguido pela justiça russa.
Entretanto, e já a residir na Ucrânia, Voronenkov testemunhou contra o anterior presidente ucraniano Viktor Yanukovych, acusado de “traição”. Alegadamente, Yanukovych terá apelado (por carta) ao parlamento russo para que este aprovasse o envio de tropas russas para o território ucraniano.

https://youtu.be/1Psk6TJlykE

Um incêndio no maior depósito de armamento da Ucrânia obrigou à evacuação de quase toda a população da cidade de Balakleya. Ministério Público Militar ucraniano fala em "sabotagem".
Uma explosão seguida de incêndio no depósito de armas da cidade Balakleya, na região de Kharkov, o maior do género na Ucrânia, obrigou à evacuação de 15 mil habitantes (num total de 26 mil) da cidade. Nas localidades vizinhas, outras 3.500 pessoas foram retiradas de casa por precaução pelas autoridades ucranianas. A notícia está a ser avançada pela agência de notícias russa Sputnik.
De acordo com a Proteção Civil ucraniana, “a primeira fase da evacuação terminou, estando os autocarros a regressar [a Balakleya] para levar os restantes” habitantes, acrescentando ainda que as autoridades locais estão a “verificar casa a casa” a cidade para perceber as consequências da explosão e posterior incêndio.
Entretanto, via Facebook, um procurador do Ministério Público Militar ucraniano, Anatolii Matios, referiu-a à explosão como tendo tido origem numa “sabotagem”. “Como resultado de uma sabotagem, uma explosão ocorreu às 3h02 (menos duas horas em Portugal continental) desta quinta-feira em vários locais de armazenamento de armas de artilharia e de foguetes, o que causaria a explosão”, acrescentou.
Foi decretado um perímetro de segurança de sete quilómetros em relação ao depósito de armamento. Não há qualquer morte a registar, mas apenas alguns vidros partidos em habituações e casos ligeiros de intoxicações por inalação de fumo.

A Rússia apelou esta quinta-feira a Kiev que “reconsidere a sua decisão” de proibir a entrada em território ucraniano da candidata russa que deveria participar no concurso musical Eurovisão, que se realiza em 13 de maio, na Ucrânia.
“Do nosso ponto de vista, esta decisão é extremamente prejudicial e injusta e nós realmente esperamos que seja reconsiderada”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, aos jornalistas, referindo que espera que a “candidata russa possa participar” da Eurovisão.
O serviço de informação ucraniano (SBU) proibiu, na quarta-feira, a entrada de Ioulia Samoilova na Ucrânia por três anos, acusando-a de ter realizado um concerto em junho de 2015 na Crimeia, cerca de um ano após a incorporação da península  na Rússia.
Dmitri Peskov também referiu que Kiev “está a diminuir o prestígio da competição” ao privar um grande país como a Rússia de participar na Eurovisão.
“De maneira geral, não estou enervada (….). Devo continuar. Penso que de alguma forma tudo vai mudar”, disse na quarta-feira à noite Ioulia Samoilova ao canal público Perviy Kanal, que deverá transmitir a competição musical para a Rússia. A cantora de 27 anos, que possui uma deficiência e usa uma cadeira de rodas, não compreende como o Governo ucraniano pode considerá-la uma ameaça.
O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, declarou que a responsabilidade desta decisão ficará “na consciência dos organizadores” na Ucrânia, segunda a agência de notícias Interfax. Esta quinta-feira, os meios de comunicação russos levantaram a possibilidade de um boicote da emissão na Rússia. Ioulia Samoilova foi selecionada em 12 de março e iria interpretar na Eurovisão uma balada romântica intitulada “Uma Chama Queima”.
O Festival Eurovisão da Canção é regularmente abalado por tensões políticas. A Rússia e a Ucrânia estão em conflito desde a incorporação da Crimeia, em 2014, posterior ao golpe fascista em Kiev, seguido por um conflito armado no leste da Ucrânia entre Kiev e as forças separatistas que já deixou mais de 10.000 mortos.


As Forças Armadas da Ucrânia através de 2 pelotões de reconhecimento e sabotagem sofreram a 20 de março 12 mortos e 14 feridos numa tentativa sem sucesso de penetrar nas linhas de defesa da Republica Popular de Donetsk perto da vila de Kominternovo no sul da República, a coberto de fogo de morteiro e veículos armados

CR

Sem comentários:

Enviar um comentário